FORA DE SÉRIE

FARUS

Farus ML

FARUS ML 929

O Farus veículo fora de série fabricado no Brasil entre os anos de 1978 a 1989 por uma fábrica de máquinas para indústria alimentícia no estado de Minas Gerais,  precisamente na cidade de Belo Horizonte, tinha suas linhas de design baseados na Ferrari e Lotus Spirit.

Como proprietário da marca, vinha o Sr. Alfio (pai) e Giuseppe Russo (filho). Eles sempre primaram por desenhos que fossem arrojados para época, assim sendo, o projeto desde o início foi  feito em uma carroceria de fibra de vidro tendo como chassi um monobloco tubular em aço estampado. A motorização era utilizada o 1.300 cc da Fiat que equipava os 147 Rally ou Racing com um implemento de carburação Webber de corpo duplo italiano, logo após usou o motor VW 1.600 cc a água, o GM 1.800 cc  e 2.000 cc do Monza e finalmente, o VW 2.000 cc do Santana.

O motor tinha sua colocação na parte central do veículo, ou seja, entre eixos na posição transversal (uma novidade para época) o que favorecia sua estabilidade,  devido a sua distribuição de peso. A suspensão era do tipo McPherson e contava com freios nas quatros rodas.

Como em todo fora de série e este não seria diferente, o uso de peças de carros de série fariam com que o custo final fosse menor, então, optaram pelo uso de peças de acabamento da Fiat do modelo 147, como: fechaduras, maçanetas, botões de painel, discos de freios, tambores e outras mais.

Algumas curiosidades do modelo:

O nome Farus significa Família Russo;

O modelo ML 929 era em referência ao nome Maria Luiza 1929 (nome da mãe de Alfio e o ano de nascimento dela);

Os  números de produção mensal durante sua fabricação variou entre 4 a 10 unidades, tendo sido exportado para alguns países como Alemanha, África do Sul e uma única unidade para o Japão;

Em 1982 foi lançado o modelo TS 1.6 com motor VW do Passat e dois anos depois, veio o modelo  Beta, com pequenas modificações em relação ao modelo TS mas com motorização GM 1.8 e 2.0 do Monza.

No ano de 1985, foi lançado o modelo Beta conversível e três anos mais tarde, começaram a desenvolver  um carro esportivo com capacidade de passageiros 2+2, que chegou a ser lançado em 1989 como Farus Quadro, com mecânica motor, câmbio e suspensões do VW Santana 2.0.

A Farus foi vendida para um grupo paulista em 1990, mas devido a abertura das importações, pelo governo Collor, a mesma logo depois encerrou suas produções. Tal fato também aconteceu com a montadora de Belo Horizonte que finalizou suas atividades em 1990. Antes disso, um empresário investiu em um projeto de um modelo Farus com motor turbo 2.2 litros da Chrysler. O modelo foi exposto no Salão do Automóvel de Nova York em 1987. O carro foi tão bem aceito que logo 1.500 reservas foram feitas na lista de espera, mas para este número de produção o investimento seria muito alto, fator que culminou em desentendimento do grupo e arquivamento do projeto.

Farus AVA

FARUS TS;

Farus Conversivel

FARUS BETA CONVERSÍVEL;

Farus Quatro

FARUS QUADRO.

Sobre o autor

Márdel

Posts publicados por:Márdel

06

01 2011

3 Comments Add Yours ↓

The upper is the most recent comment

  1. carlos pereira #
    1

    amigo tenho um farus beta 1982, estou restaurando e tenho muita dificuldade em encontrar os vidros (todos) eles são unicos ou de um outro carro da certo.

    CARLOS-MT

  2. luis carlos vaz guimaraes jr #
    2

    ola! estou reformando um ts 1.6 ano 1982 tb preciso do vidro dianteiro…parabrisa…lcguima@brturbo.com.br cel53 84031477

  3. Ricardo Bianchi Pretto #
    3

    Mardel, gostei muito do seu artigo. Porém, o nome correto é Farus QUADRO (e não QUATRO, como escrito). Parabéns pelo site! Grande abraço!



Seu Comentário